Vacina para doença de Parkinson:

testes iniciais em humanos estão em andamento

 

Um dos maiores desafios no tratamento para a doença de Parkinson é a neuroproteção. Muito embora disponhamos de medicamentos que ajudam no controle dos sintomas, ainda não existe um remédio que consiga evitar a progressão da doença. Há alguns anos, cientistas vêm desenvolvendo uma vacina contra a alfa sinucleina, uma proteína que se agrega de forma anormal nos neurônios. Sabemos que a passagem da alfa sinucleina anormal célula a célula é um dos fatores que contribuem para a progressão da doença de Parkinson. Se um medicamento conseguir impedir esta progressão célula a célula, possivelmente irá conferir um efeito neuroprotetor, impedindo que a doença continue progredindo, ou diminuindo a sua velocidade de progressão.  Isso traria um imenso benefício para as pessoas com Parkinson, com perspectivas de estabilização dos sintomas, ou até mesmo de prevenção da doença nas populações em risco. Os primeiros estudos em humanos mostraram que a vacina em desenvolvimento é segura. Estes estudos iniciais são feitos com um número muito pequeno de pacientes apenas para avaliar a segurança, portanto, ainda não podem avaliar a eficácia da vacina. Agora recebemos a boa notícia de que os testes vão avançar para a fase II, com mais centros no mundo testando a vacina! Ainda não há um sítios de testes no Brasil, mas é provável que, se o medicamento avançar para a fase III, nossos centros farão parte do estudo.

ATENÇÃO: AS INFORMAÇÕES DESTE SITE NÃO DEVEM SER ADOTADAS PARA DIAGNÓSTICO E NÃO SUBSTITUEM A CONSULTA A UM PROFISSIONAL DA ÁREA DA SAÚDE